Header Ads

Breaking News
recent

O fim de Naruto e sua importância

Desenhos japoneses são sempre recheados de peculiaridades, o tempo das piadas, o estilo de narrativa, o retratar da mulher, e até a própria jornada do herói é um tanto diferente em animes, mas o que é mais atrativo nessas obras é a facilidade que elas têm em transformar questões e problemáticas grandes e universais em algo simples, digerível até por uma criança.


Vejamos Naruto por exemplo, mangá estreado em 1999 e anime estreado em 2002 tem uma estranheza em tratar de morte paterna, solidão e sonhos com um humor extremamente infantil. Nos primeiros episódios da série já são vistas inúmeras cenas de humor extremamente pastelão, que logo em seguida são substituídos pela "ponte Uzumaki" e o exame Chunin, arcos com personagens extremamente complexos e de momentos muito tensos. Tendo esse primeiro momentos como o Naruto falando com Inari sobre o ciclo da vida (que atingiu ambos os pais prematuramente) e a coragem para continuar em frente depois de algo tão destrutivo.

Esse arco do exame Chunin ilustra bem o que estou querendo dizer, vide a luta entre Naruto e Kiba em que Naruto vence por um peido e que se segue pela batalha de Rock Lee com Gaara, completos opostos que nos fazem pensar muito sobre as justiças e injustiças da vida, enquanto Rock Lee sempre quis ser um ninja e dia-pós-dia treinava mas sempre se mostrava mais fraco que qualquer um de seus oponentes, Gaara desde seu nascimento já contava com esses poderes para ser o melhor dos ninjas, mas isso o colocou numa maldição. E como seguir a vida sendo menosprezado por algo que sequer é sua culpa? Repare que dilemas poderosos que podem permear questões de etnia, orientação sexual, classe social.

Exemplifica-se então com a minha história, em idas de 2006, quando eu existia a apenas 6 anos, tinha um enorme problema de auto-aceitação e determinação. Lembro-me até hoje do dia em que eu e meu pai começamos a ver a aventura deste menino de Konoha pela primeira vez, e desde então quase que semanalmente acompanhamos a jornada do jinchuuriki. E é nostálgico olhar para trás e ver que de certo modo ela permeou todos os momentos da minha vida, mas foi em 2015 que larguei o barco e passei a tratar do anime como uma piada (assim como boa parte do público), só que com a recente notícia de que aquela história chegara ao fim um estranho vazio me conduziu a terminar essa saga tão grande (em duração) quanto minha própria existência.

E o público de Naruto realmente cresceu, no fim do Shippuden isso se torna extremamente notável, a história fica ainda mais densa ao se tratar de guerra, e as personalidades caricatas que marcaram a história tem suas máscaras caídas, Tobi se torna Obito e com sua morte mostra à Naruto todos aqueles que morreram na jornada, que deram suas vidas com esperança no mundo melhor que o protagonista representa, Minato, Jiraya, Pain, Assuma, a morte é um assunto muito bem trabalhado no arco final do anime, ver o casamento de Naruto e Hinata sem Guy Sensei ou Neeji é de partir o coração, mas é necessário, afinal durante a vida muitas pessoas entram, saem, e no fim não estão mais lá, mas foram de extrema importância para onde você chegou. Ver Naruto se despedindo de Minato é tão bonito quanto vê-lo convidando Iruka para representar seu pai no casamento, e nos mostra a importância dessas pessoas que passam por nossa vida (além do quanto o termo família pode ser abrangente).

Naruto também nos episódios finais mostra como esse mundo é complexo, de um jeito orgânico como se sempre estivesse ali, e apesar de Kaguya não fazer muito sentido o conflito entre seus netos Indra (ancestral do clã Uchiha) e Asura (ancestral do clã Uzumaki) fecha com chave de ouro o antagonismo perfeito entre Sasuke e Naruto, um conflito ideológico que existe desde a criação do próprio mundo ninja. Como alcançar a paz? Sasuke é muito extremo ou Naruto inocente?

Rock Lee, Gaara, Tsunade, Neeji, Hinata, Sasuke, e muitos outros que aprenderam muito sobre si mesmos com Naruto (inclusive os primeiros episódios lá em 2002 já mostram todos empenhados em continuar na prova Gennin graças ao Naruto), assim como toda uma geração que se espelhou no jeito ninja de ser para si mesmos, Naruto nos deixa com um final um tanto amargo, mas a jornada impecável, que deixará saudades, um legado épico que marcou muitas vidas. Dattebayo, Naruto. E que venha Boruto.

Nenhum comentário:

@ArturAlee #GeekDeVerdade. Tecnologia do Blogger.